Comendo açaí em Manaus

Manaus_Acai_PanAmericanHealthOrg

imagem cortesia de Pan American Health Organization via Flickr

Ninguém precisa exatamente ir para o norte do Brasil para experimentar delicias como tacacá, tambaqui e açaí. O creme feito com essa frutinha roxa, super energético e refrescante, está em todo o país. No litoral e no sudeste as travessas de açaí com granola, banana, morango, aveia e guaraná valem tanto como snack para após a academia, quanto como lanchinho saudável para a criançada na escola. O popular açaí faz parte da categoria “super foods” e na gringa é vendido como detentor de poderes desintoxicantes e emagrecedores. Por aqui basta o fato de que é deliciosa. É um favorito, principalmente em dias de verão.

Mas você já pensou em como é que se come açaí na região que produz a frutinha? O açaí é uma das bases da economia, alimentação e identidade da região amazônica, ligada principalmente à cultura dos estado do Pará e do Amazonas. O frutinho roxo, assim como as frutas tucumã e taperebá, os peixes tambaqui e tucunaré, e as deliciosas balas de graviola e chips de banana frita, são parte do cardápio que você encontra numa viagem a Manaus, tão importantes na experiência local quanto almoços em restaurantes flutuantes e excursões para ver o encontro das águas.

No geral, o açaí no norte não vem com os xaropes de guaraná ou com o leite condensado que os fluminenses e paulistas curtem. Não leva açúcar nem tem o sabor doce. Na real, geralmente é servido com acompanhamentos salgados. É uma comida democrática, consumida aos milhares de litros por populações ribeirinhas ou urbanas no café da manhã, almoço e jantar. No começo do dia, o açaí é cozido com tapioca ou arroz e temperado com sal. Nas outras refeições, vem com pirão, farinha e peixe. Também dá para encontrar o açaí em creme gelado, muitas vezes enriquecido com a deliciosa tapioca em flocos.

Em Manaus, capital do estado do Amazonas e maior cidade do norte do Brasil, não faltam bancas e restaurantes vendendo o melhor açaí da cidade, como o Waku Sese, que tem fábrica própria e distribui 1.500 litros de creme de açaí por dia em vários pontos de venda. Mas a casa mais tradicional é a Casa do Guaraná Saterê, ao lado do Lord Manaus Hotel, que há três décadas vende o açaí como refresco ou creme em mais de vinte combinações. Imperdível.

– Gaía Passarelli

,

Comments are closed.