Santiago tem opções para todos os gostos

Depois de descobrir Buenos Aires nos últimos anos, parece que Santiago se tornou o novo destino preferido dos brasileiros na América do Sul. Se a capital do Chile perde um pouco em charme para a arquitetura porteña, o mesmo não se pode dizer sobre as atividades culturais, noite e, principalmente, turismo histórico. Para começar, há esse ar de mistério sobre o Chile: como foi que este país escondido lá atrás dos Andes se diferenciou completamente da América Latina em qualidade de vida e desenvolvimento? Que país é esse que produziu um Prêmio Nobel de Literatura (Pablo Neruda) e onde os sul-americanos praticam esqui e fabricam vinhos de qualidade reconhecida no mundo todo? Um passeio pela capital revela pistas que podem nos explicar um pouco – e uma escapada até as vinícolas fora da cidade ou até o litoral próximo completam uma viagem perfeita ao Chile.

1

Hall principal do Centro Cultural Palacio de la Moneda.

Numa visão superficial, Santiago não é tão diferente de outras capitais sul-americanas: a arquitetura é heterogênea, o trânsito às vezes um pouco caótico, o centro antigo tem um ar levemente decadente. Mas é preciso saber explorar. No quesito histórico, o destino obrigatório é o Palácio de la Moneda, mas não apenas por seu caráter histórico (a imagem do palácio sendo bombardeado no golpe contra Salvador Allende está na memória de todos), mas também porque ele abriga, ao lado, um ótimo e moderno centro cultural com uma arquitetura muito interessante. Além da agenda cheia (que pode ser consultada no site), o complexo oferece lojas, cafés e restaurantes. Enfim, a união perfeita de turismo histórico com serviços práticos. Ainda entre as atrações culturais, não deixe de comprar ingressos online para o Teatro Municipal de Santiago, o centro cultural mais antigo da cidade (1857) e que tem espetáculos de dança, óperas e concertos (ou seja, não precisa entender espanhol). A diretora artística do Ballet de Santiago é a renomada brasileira Márcia Haydée – escolha um espetáculo de dança aleatório e não se arrependerá.

2

Fonte no Cerro Santa Lucia, um dos montes transformados em parque.

Para se ter uma visão geral da cidade, o ideal é visitar um dos “cerros”, os famosos montes espalhados pela cidade e transformados em parques. O mais central deles é o Cerro Santa Lucia, que era um antigo forte e oferece uma bela vista do centro. No Cerro San Cristóbal é possível enxergar até a Cordilheira dos Andes.

Para sair à noite, uma ótima pedida é o Patio Bellavista (Rua Constitucion 30), uma espécie de shopping a céu aberto de bares e restaurantes – um conceito bastante diferente, não? A quantidade de universidades é uma das coisas que faz de Santiago uma cidade tão jovem e animada – e o Patio Bellavista fica exatamente ao lado de uma delas. São tantas opções de bares com diferentes perfis (embora todos com decoração e ambiente cool) que você vai acabar encontrando um do seu gosto. As ruas ao redor do Patio também merecem ser exploradas: elas oferecem botecos mais simples e também mais autênticos.

4

O super animado Patio Bellavista.

Em uma dessas “quebradas” ao redor do Patio fica a casa de Pablo Neruda em Santiago, a “La Chascona” (Rua Fernando Márquez de La Plata, 192)  – uma boa maneira de conhecer a vida e obra do poeta. Mas se você quiser ter a experiência definitiva na obra de Neruda, vale dar uma escapada de Santiago até Isla Negra, uma prainha quase deserta do Oceano Pacífico a 96km da capital, cuja única atração é a incrível casa onde Neruda trabalhava com vista para o mar. A decoração surrealista da casa e a atmosfera mágica valem a viagem. Há ônibus partindo diariamente da rodoviária de Santiago até Isla Negra, pela manhã, bem cedo.

Outra escapada incontornável em qualquer época do ano é até as vinícolas que fabricam os tão respeitados vinhos chilenos. Turistas em geral gostam de ir até as vinícolas mais conhecidas, como a Concha y Toro, e ela é sem dúvida uma ótima pedida – quem não gostaria de ver a famosa adega Casillero del Diablo? Mas se você quer uma experiência mais autêntica e menos industrial, vale ir até uma vinícola familiar, como a Undurraga, por exemplo, que tem uma tiragem menor e oferece um passeio bem personalizado e divertido pelo processo de fabricação dos vinhos. Visitas para qualquer uma dessas vinícolas podem ser agendadas na recepção de qualquer hotel de Santiago, a bons preços, com transporte de ida e volta ao local.

3

Adega principal da vinícola Undurraga.

Para fechar, a gastronomia local oferece opções exóticas, mas que não podem deixar de ser provadas, como o estranho e delicioso cachorro quente com abacate, chamado  “Completo”. Um lugar bastante autêntico para degustar a comida local é o Mercado Público de Santiago. Caótico como todo mercado sul-americano, é ideal para a hora do almoço.

Uma viagem a Santiago não deve jamais prescindir de uma visita aos arredores da cidade – além das vinícolas e de Isla Negra que já mencionamos, há ainda estações de esqui a apenas uma hora de carro na direção leste (opção de inverno) e as badaladas praias de Valparaíso e Viña del Mar a duas horas de viagem, mas para o lado oposto, oeste (opção de verão). São as vantagens de um país que tem, em média, apenas 175 quilômetros de largura.

 -Gabriel C. Brust

, , , ,

Comments are closed.